O STF e a Homofobia

Compartilhar post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Quando um determinado grupo de pessoas defende sua proteção específica, apartada dos demais cidadãos, criam-se diferenças e abismos sociais até então inexistentes. Talvez isso seja o correto: já que é impossível conviver, viver junto, vamos criar barreiras ideológicas imaginárias e intransponíveis.

Pelo menos ninguém se fere.

Tenho, contudo, um defeito imenso: sou doentiamente otimista com o ser humano. Acho que o Estado mais atrapalha do que colabora com o desenvolvimento das sociedades e com a pacificação e tolerância cívica entre agrupamentos de pessoas com ideologias, comportamentos e tendências divergentes.

Portanto, proteger em específico os homossexuais com legislação própria é criar uma diferenciação desnecessária – o que já falei nessas linhas. É criar uma casta onde não há divisão entre castas.

Já se concluiu, bem ou mal, que homossexualismo não é doença, e ainda que fosse não tornaria o paciente diferente das demais pessoas. Se é tendência, e essa definição é uma quase unanimidade, então é gosto, depende da vontade humana e do desejo, o que também não torna o homossexual diferente de quem quer que seja. Pensar de outro modo seria também criar nichos para drogaditos, amantes de chocolate, fãs de esportes radicais, etc… Enfim, todas tendências e preferências que não tornam seus protagonistas melhores ou piores, ou diferentes, de outras pessoas. Não os torna vulneráveis, e por isso não precisam de proteção especial da lei, do Congresso Nacional ou do STF.

Explore mais

Coluna

Técnicas para discurso político

Aqui nós vamos ensinar alguns truques retóricos muito utilizados em discursos políticos – daqueles que enganam bem os ouvintes menos atentos. Vamos começar com a

Coluna

Origem da palavra Blog

Você está num blog, existem inúmeros, com todo o tipo de assunto: beleza, saúde, bem-estar, culinária, dicas práticas e por ai vai…Mas bem provavelmente você